O abominável homem das neves

O Yeti ou Abominável Homem das Neves é, provavelmente, um macaco, hominídeo?! Acredita-se  que habita o Himalaia, regiões do Nepal e Tibet  e,  segundo  supostas  evidências,  é  mais  alto que o ser humano sendo semelhante ao Bigfoot, da América do Norte.
Os nomes Yeti e Meh-Teh são comumente usados pelos povos da região e fazem parte de sua história e mitologia.
As primeiras narrativas do Yeti surgiram como uma faceta da cultura popular no século XIX.
Grande parte da comunidade científica trata o 'caso' Yeti como lenda, dada a falta de provas conclusivas, mas continua a ser uma das criaturas mais importantes da criptozoologia. 
O Yeti pode ser considerado um mito paralelo ao lendário Bigfoot.



                                                     Imagem,wallace. 

O uso da denominação 'Abominável Homem das Neves' iniciou quando Henry Newman, colaborador de longa data do The Statesmam, em Calcutá, escrevendo sob o pseudônimo de 'Kim', entrevistou os participantes da 'expedição de reconhecimento do Everest' no seu regresso à Darjeeling. Newman substitui palavras que ouviu nos relatos por outras mais apropriadas, segundo ele, - a história toda parecia uma criação alegre que mandei para um ou dois jornais -.


Em 1832, James Prinsep, do jornal da Sociedade Asiática de Bengala, conta as experiências de Hodgson no Nepal. Os guias contratados, habitantes da região, avistaram uma criatura bípede, alta, coberta de pelos longos e escuros, que parecia fugir. Hodgson concluiu que era um orangotango.
Nepal.


















                                                                 'Aldeia e montanhas no Nepal' by Donald Macauley.


Há um registro de pegadas, em 1899, conforme relato de Laurence Waddell, - seu guia descreveu uma grande criatura simiesca que deixou impressões no solo. - Waddell imaginou que teriam sido feitas por um urso. Waddell ouviu muitas histórias mas, segundo ele, - 'nenhum dos muitos tibetanos interrogados sobre o assunto me apresentou um caso autêntico'.                                                                        Em 1925, N.A.Tombazi, um fotógrafo e membro da Royal Geographical Society, escreveu que viu uma criatura, a uma altitude de 15.000 pés (4.600 metros), perto de Zemu Glacier. Tombazi escreveu mais tarde que observou uma criatura cerca de 200 a 300 metros de distância por, aproximadamente, 1 minuto, - 'sem dúvidas, a figura em destaque era exatamente como um ser humano, caminhando ereto e parando ocasionalmente para mexer em arbustos. Ele mostrava-se escuro contra a neve e, tanto quanto poderia ter notado, não usava roupas'.

O interesse pelo Yeti adquiriu força na década de 1950.


Ao tentar escalar o Monte Everest em 1951, Eric Shipton tirou fotografias de várias grandes pegadas na neve, a uma altitude de cerda de 20.000 pés (6.000 metros) acima do nível do mar. Estas fotos foram responsáveis por um amplo debate. Muitos argumentam que elas representam a melhor prova da existência do Yeti, enquanto outros sustentam que - as impressões deixadas na neve são de criaturas conhecidas e que as mesmas foram distorcidas pela neve derretida -.


Em 19 de março de 1954, o jornal Daily Mail publicou artigo em que descrevia uma amostra de couro cabeludo de um suposto Yeti, encontrada em um mosteiro, na vila Pangboche. Os cabelos eram negros de cor marrom escura e, avermelhado à luz solar. A amostra foi analisada pelo professor Frederic  Madeira Jones, um especialista em anatomia humana. Ficou convencido de que os cabelos não eram de urso ou macaco antropoide.
Suposto couro cabeludo de um Yeti, mosteiro Khumjung.


Em 1970, o alpinista britânico Don Whillans alegou ter avistado uma criatura ao escalar o Annapurna
De acordo com Whillans, - enquanto procurava um lugar para acampar, ouviu gritos estranhos que seu guia xerpa atribuiu a um Yeti -. Naquela mesma noite, viu um vulto escuro se movendo nas proximidades do acampamento. No dia seguinte, observou pegadas na neve e, na noite que se seguiu, observou com binóculos, um bípede, algo parecido com um macaco, durante 20 minutos. Aparentemente procurava comida não muito longe do acampamento


Em 2004, Henry Gee, editor da revista Nature, mencionou o Yeti, como exemplo de uma lenda, mas que merece um estudo mais aprofundado. Escreveu, - 'a descoberta de que o Homo floresiensis sobreviveu até muito recentemente, em termos geológicos, torna mais provável que as histórias de outras criaturas míticas, semelhantes ao ser humano, como o Yeti, estão semeadas como grãos de verdade...'-. 'Agora, com a criptozoologia, o estudo destes seres fabulosos, pode vir à tona'.


No início de dezembro de 2007, o apresentador de TV americano Joshua Gates e sua equipe relataram a descoberta de uma série de pegadas na região do Everest. Cada uma das pegadas medindo 33 cm de comprimento, com cinco dedos. Na ocasião, moldes foram feitos para futuras pesquisas. Mais tarde Gates fez uma investigação em que descobriu amostras de cabelo. Um analista forense concluiu que o cabelo continha uma sequencia de DNA desconhecido.


Algumas aparições ainda foram relatadas nos últimos anos mas sua veracidade são inconclusas.


Atualmente, os supostos restos deixados pelo Yeti estão sendo colocados em microscópios na tentativa de provar sua existência.
O projeto Hominid foi criado pela Universidade de Oxford na tentativa de atrair pessoas e instituições para submeter os resquícios biológicos à análise minuciosa. Qualquer pessoa com uma amostra de restos orgânicos poderá apresentar dados sobre onde foi encontrado e em que condições.
Bryan Sykes, da Universidade de Oxford diz, - 'a ciência tradicional continua a se convencer, por alguns relatórios, tanto por falta de evidências testáveis, como pela tentativa de elaboração de fraudes. No entanto, os avanços realizados no campo genético permitirão provas irrefutáveis, evitando falsificações'.
'Seria possível que um exame científico possa identificar espécies que foram negligenciadas pela ciência, o que nos daria enormes dados sobre possíveis Neandertais e outros hominídeos primitivos que se espalharam pelo mundo em pouquíssimas quantidades', finalizou o cientista.



Alguém possui um 'pedaço' de Yeti em casa? Um pedaço de cabelo, principalmente? Em caso afirmativo mande um e-mail para bryan.sykes@wolfson.ox.ac.uk, encaminhando o material para o Dr. Michel Sartori,   diretor do Museu de Zoologia de Lausanne, responsável por captar restos orgânicos da 'mítica criatura' que parece se esconder em montanhas geladas.

O Yeti se tornou um ícone cultural, aparecendo em filmes, literatura, música e jogos de vídeo.


Ilustração de um Yeti, Philippe Semeria.


No cinema, filmes importantes tais como, 'A Criatura da Neve' (1954), 'Metade Humana' (1955), 'O Abominável Homem das Neves' (1957), 'Yeti, il Gigante del 20. Secolo' (1977), 'Snowbeast' (1977), 'Monstros SA' (2001), 'A Múmia, Tumba do Imperador Dragão' (2008), 'Raiva do Yeti' (2011) e outros.



Na literatura o Yeti apareceu com destaque em diversos trabalhos, dentre eles, 'Tintin no Tibete' de Hergé. O Abominável Homem das Neves é um personagem super-herói na Marvel Comics publicações. 

'Tintin no Tibete' mostra o Yeti, temido como um selvagem por seres humanos, na forma de um antropóide com uma cabeça ovaloide, que tem uma atitude solidária para com os seres humanos.
Fontes, Wikipédia | JornalCiência.
Imagemsatélite'NASA Landsat-7 Image of Nepal. Nepal shares most of its boundaries with India' by NASA.
ImagensEverest by Pavel Novak |  'Aldeia e montanhas no Nepal' by Donald Macauley | filme, produção da Hammer. Aventura. Preto & branco, 1957 | 1ª imagem, Yeti by wallace.


Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas