Rio+20 | agricultura sustentável

Cultura de cana-de-açúcar, São Paulo. Crédito da imagem, Tiago Iatesta.

'Rio voador', fenômeno real cujo impacto tem muito significado em nossas vidas.
A necessidade de preservação da floresta amazônica ganhou um apoio importante com os resultados das pesquisas do projeto - 'Rios Voadores' -, realizado pelo CPTEC, Centro de Previsão do Tempo e Estudos Climáticos, em conjunto com o CENA, Centro de Energia Nuclear na Agricultura. O projeto tem o patrocínio da Petrobrás.

Em palestra, neste domingo, 18 de junho, no Parque dos Atletas, o ambientalista suíço Gérard Moss, um dos pesquisadores, afirmou que as árvores da Amazônia são fundamentais para a formação dos rios voadores, um fenômeno invisível, mas de grande impacto para a sustentabilidade da produção agrícola do Brasil. 

Os rios voadores são correntes de ar que transportam um imenso volume de  umidade e de  vapor d'água da Amazônia até outras regiões do Brasil, como o Centro-Oeste, o Sudeste e o Sul. Por incrível que pareça, a quantidade de água transportada pelos rios voadores pode ser da mesma ordem de grandeza da vazão do rio Amazonas - 200.000 m³/s -.

                    Crédito da imagem, Tiago Iatesta.

Graças a esse fenômeno, o Brasil é o campeão mundial de chuva, com 15.200 km³ de precipitações por ano, o que, segundo Moss, é um dos fatores responsáveis pelo sucesso da agricultura do país.
Ao contrário dos Estados Unidos, onde a maior parte da irrigação se faz de forma artificial, no Brasil, 95% da produção agrícola é irrigada pelas chuvas.


'Se preservamos a Floresta Amazônica, nossa agricultura se desenvolve de maneira sustentável. No Brasil, o meio ambiente deveria ser questão econômica', conclui.

O Projeto Rios Voadores. Um breve histórico.

Há três décadas, que uma equipe de cientistas brasileiros, liderada pelo Prof. Eneas Salati, localizam e estudam os rios voadores, mas somente agora, nesse início de século, nasceu a ideia de aprofundar o estudo sobre o fenômeno.
Estudos recentes têm mostrado uma ligação significativa entre o sistema climático amazônico e àquele sobre a bacia do Prata.  Poucos pessoas conhecem a existência do transporte do vapor d’água por massas de ar que aqui chamamos de rios voadores.
O volume de vapor de água transportado por esses rios voadores pode ser maior que a vazão de todos os rios do centro-oeste e ter a mesma ordem de grandeza da vazão do rio Amazonas.
. Na primeira fase do projeto, realizada entre 2007-2009, foram coletadas 500 amostras de vapor de água de várias regiões do Brasil, principalmente da Amazônia. Estas amostras foram analisadas pelo CENA - Centro de Energia Nuclear na Agricultura -, da USP, Piracicaba, SP.
. Na segunda fase, que conta novamente com o patrocínio do Programa Petrobras Ambiental, será possível avançar nos estudos, interligando os resultados das análises com as condições meteorológicas regentes na hora da coleta. É um trabalho complexo e a melhor forma encontrada para avançar nas pesquisas é justamente unindo forças. A análise das amostras de água no CENA é estudada com a forte colaboração da equipe no CPTec.

A expedição Rios Voadores faz parte do Brasil das Águas,  projeto  que,  desde  2003,  busca chamar a atenção do público para a saúde dos rios brasileiros.


Comentários

Postagens mais visitadas