A dança da morte | The stand

1978, data da primeira publicação, A Dança da Morte, The Stand, - '... a visão apocalíptica de Stephen King de um mundo assustado pela peste e envolvido em uma luta rudimentar entre o bem e o mal...'.
A Dança da Morte é, sem dúvidas, um fenômeno editorial. Desde o lançamento de sua 1ª edição, tem sido aclamado pela crítica e pelo público.
A nova versão, conforme o manuscrito original, foi publicada em 1990. Da versão de 1978 haviam sido suprimidas mais de 150.000 palavras, mais de 400 páginas, que foram acrescentadas na publicação expandida, com mais alguns trechos inéditos. King quis oferecer  um material que atendesse à uma nova geração de leitores, faz surgir novos personagens e dá mais profundidade àqueles mais familiares.



Um nanosegundo de erro de computador em um laboratório do Departamento de Defesa, ocasionando um acidente. Um homem escapa das instalações, onde armas biológicas são manipuladas. Leva consigo um vírus mortal, que sofre mutações nas semanas seguintes atingindo de modo implacável a maioria da população mundial. 
Entre os sobreviventes, duas facções se formam e se encaminham para um confronto sem precedentes. 


Diz King, - 'A Dança da Morte é uma obra de ficção, como seu tema deixa perfeitamente claro. Muitos dos eventos ocorrem em lugares reais... é um romance longo e esta versão aumentada será vista por alguns, talvez muitos, como um ato de indulgência de um autor cujas obras foram bem sucedidas o suficiente para permitir este capricho... embora nunca tenha sido o meu romance preferido, é aquele que fãs dos meus livros parecem gostar mais. Quando faço palestras (o que é tão raro quanto possível), as pessoas sempre me falam sobre a A Dança da Morte. Elas discutem os personagens como se fossem pessoas reais e com frequência perguntam "o que aconteceu com fulano de tal?" - como se eu recebesse cartas deles de vez em quando.'

Alguns trechos do livro:
'... Sally emergiu do sono.
Primeiro olhou o relógio sobre a mesinha-de-cabeceira e viu que eram 2h15 da madrugada. Charlie não deveria estar aqui; deveria estar no plantão. Depois deu sua primeira boa olhada nele e algo saltou dentro dela, alguma intuição funesta.
Seu marido estava mortalmente pálido. Tinha os olhos assutados e saltando das órbitas.
... Ao amanhecer estavam atravessando o estado de Nevada rumo ao leste e Charlie não parava de tossir.
... Um homem e uma mulher em macacões azuis estavam amarfanhados ao pé da máquina de doces. Um homem de macacão branco jazia ao lado da vitrola automática. Nas próprias mesas estavam nove homens e 14 mulheres, alguns caídos ao lado de pacotes de biscoitos, outros com garrafas de refrigerantes derramados, ainda apertadas em suas mãos enrijecidas. 
... O primeiro monitor mostrou apenas um relógio digital. Até 13 de junho todos os números naquele relógio tinham estado em verde. Agora apresentavam um vermelho vivo. Eles tinham parado. Os algarismos que se liam eram 13:06:90:02:37:16.
Dia 13 de junho de 1990. Duas e trinta e sete minutos e dezesseis segundos da madrugada.
... À meia-noite as barreiras foram armadas, e ao raiar da manhã seguinte, a manhã do dia 25, várias pessoas haviam sido baleadas na barreira, a maioria apenas se feriu, mas três ou quatro morreram. Quase todos eram gente vinda do norte, fluindo de Boston, tomados pelo medo e pânico estúpido. Alguns voltaram para York a fim de alcançar de bom grado o posto de pedágio, mas outros estavam loucos demais para entender e tentavam romper as barreiras... Mas naquela noite, a maioria dos homens nas barricadas estava doente, ardendo em febre...
... - Estou vivo - disse Stu para a noite. Começou a gritar: - Estou vivo, graças à Deus, estou vivo... Um tanto vacilante começou a descer a estrada.


"O melhor romance de King...", Publishers Weekly.
"Um livro que tem tudo: aventura, romance, profecia, alegoria, sátira, fantasia, realismo, apocalipse. Maravilhoso." The New York Times.




O livro, com quase 950 páginas já foi adaptado para a TV - mini série -, pela CBS,
  • título, O Confronto, The Stand;
  • data do lançamento, 08 de maio de 1994;
  • locais de filmagem, Boulder, Colorado, EUA;
  • atores, Gary Sinise (Stu Redman), Molly Ringwald (Frannie Goldsmith), Jamey Sheridan (Randall Flagg), Adam Storke (Larry Underwood), Corin Nemec (Harold Lauder) e outros;
  • escritor - writing for tv - Rick Munoz;
  • gênero - aventura, drama, fantasia e horror;
  • runtime - 6 episódios de 60 minutos.


 Mais recentemente, The Stand, foi adaptado para os quadrinhos pela Marvel,

Ótimo livro. Excelente leitura. Narrativa envolvente como sempre acontece com todos os livros de Stephen King.




Comentários

Postagens mais visitadas