V838 Monocerotis


A estrela variável¹ V838 Monocerotis (V838 Mon) é uma hipergigante vermelha, localizada na constelação de Monoceros, com uma magnitude aparente de +15,74. Apresenta-se como uma das estrelas mais estranhas e uma das mais brilhantes da nossa galáxia, a Via-Láctea. Está a uma distância de aproximadamente 20 000 anos-luz do Sol. 

Em 2002, a V838 Monocerotis explodiu.
Brilhou cerca de 600.000 vezes mais que o nosso Sol.



Fonte da imagem, National Geographic. 
Crédito da imagem, NASA|ESA, hubble heritage team(STScl/AURA).

A luz emanada da erupção está iluminando a poeira interestelar que cerca a estrela, produzindo o mais espetacular 'eco luminoso' da história da astronomia. Desde sua explosão inicial, o Hubble capturou várias imagens para acompanhar a evolução do seu eco de luz. Duas imagens fornecem as vistas mais surpreendentes da V838 até à data de 2006. O eco de luz ainda continua, supostamente, expandindo-se.


Um eco de luz é um fenômeno produzido por estrelas cujo brilho aumenta depressa, como em erupções de novas e supernovas. A luz emitida diretamente pela estrela chega primeiro ao seu destino, sendo que se há nuvens de matéria interestelar entre a estrela e o observador, parte da luz é refletida pelas nuvens. Com um percurso mais longo, a luz refletida chega ao destino posteriormente, o que produz a visão de anéis de luz em expansão a partir da estrela em erupção. Para mais além, os anéis pareceriam viajar a uma velocidade maior à da luz.

No caso da V838 Monocerotis, o eco de luz superou as escalas conhecidas, e a sua evolução fica perfeitamente evidente através das imagens capturadas pelo telescópio espacial Hubble. Ainda não está claro se a nebulosa que rodeia a estrela tem alguma relação com a mesma, mas assim sendo, poderia ter sido formada por erupções anteriores, o qual descartaria várias teorias baseadas em eventos catastróficos simples. Porém, há suficientes evidências para afirmar que o sistema V838 Monocerotis é muito jovem e ainda estaria alojado dentro da nebulosa a partir da qual se formou.


Tamanho máximo alcançado pela V838 Monocerotis,
 comparando-a com o nosso Sistema Solar. Imagem, Alvaro qc.


¹Estrela variável é aquela cuja luminosidade varia em uma escala de tempo menor que 100 anos. Enquanto a maior parte das estrelas têm luminosidade praticamente constante — como o nosso Sol, que não apresenta praticamente nenhuma variação mensurável (em torno de 0,1% em um ciclo de 11 anos) — a luminosidade de certas estrelas varia de maneira perceptível em períodos de tempo muito mais curtos.


A animação abaixo é resultante da combinação de oito imagens capturadas pelo Hubble. Ao assistir ao vídeo, você não está vendo a poeira interestelar expandindo, mas sim a luz viajando e iluminando as camadas exteriores da poeira. 


O Telescópio Espacial Hubble é um projeto de cooperação internacional entre a NASA e ESA.


Credit, NASA, ESA and H. Bond (STScI).

Comentários

Postagens mais visitadas