Foguete de plasma pode encurtar viagens no espaço


Um foguete de plasma faria uma viagem à Marte em pouco mais de 30 dias.

Um foguete de plasma está sendo construído como reposição para outro que deve ir à ISS, Estação Espacial Internacional.

O foguete, que se chama VASIMR, 'Variable Specific Impulse Magnetoplasma Rocket', no futuro, pode ser utilizado em missões à asteroides.

Equipado com um sistema de propulsão elétrica, o  VASIMR  é um propulsor eletro-magnético para naves espaciais . Utiliza ondas de rádio para ionizar e aquecer um propulsor e campos magnéticos acelerando a resultante de plasma e gerando impulso.

O foguete está sendo desenvolvido para futuras viagens à Marte, que faria num espaço de tempo de 39 a 45 dias, prazo bem menor que os nove meses dos foguetes químicos convencionais. Isto significa que viagens de longa distância num prazo menor de tempo, menor seria a exposição dos astronautas à perigosa e mortal radiação cósmica e solar.
O inventor do sistema e ex-astronauta que deixou a NASA em 2005, Franklin Chang-Diaz, diz, - 'de repente, o futuro é aqui. Temos muitas dificuldades e desafios, muito trabalho a fazer...'.

Chang-Diaz desde que montou sua empresa em Houston, a Ad Astra Rocket Co.,  levantou milhões de dólares de investidores privados, principalmente quando atingiu uma performance significativa operando com sucesso o VASIMR, a plena potência, numa câmara de vácuo.


Entre abril e setembro de 2009, foram realizados testes no protótipo  VX-200 com 2 unidade de ímãs supercondutores. Com sucesso a faixa de potência do VASIMR foi expandida até a sua plena capacidade operacional de 200 kW.

Em 2008, a Ad Astra assinou um acordo com a NASA para organizar e colocar em teste uma versão de voo do VASIMR, o VF-200, na ISS. A Ad Astra planeja lançar sua versão VASIMR  num voo para a estação espacial em 2014. 
Chang-Diaz pretende fabricar dois motores no caso de um acidente ou outro tipo de problema que impeça o primeiro de chegar ao posto avançado. A reposição seria instalada fora da ISS, podendo ser aproveitada para uma nova missão, reduzindo custos.

Numa missão à um asteroide, a potência de 200 kW estaria disponível para ser utilizada em equipamentos científicos ou outros. Segundo Diaz, - 'você poderia realizar uma missão extraordinária...uma vez lá, não precisaria do sistema de energia para o foguete...desligando o motor teria 200 kW para fazer qualquer coisa que você queira fazer.  Você poderia fazer todos os tipos de coisas inéditas com esse nível de poder'.

Para uma imagem maior, clique na imagem abaixo,


A missão 'asteroide VASIMR' é uma entre várias propostas que estão sendo avaliadas por uma equipe de estudos da NASA. 

[Source, hypeScience | msnbc | Wikipédia].

Comentários

Postagens mais visitadas