Marte

 Marte e o Valle Marineris
Marte e o Valle Marineris (1)  em primeiro plano [NASA].

Marte é o quarto (2) planeta do sistema solar. Possui duas luas, Fobos e Deimos, que são pequenas e de forma irregular.
Conhecido também como o “Planeta Vermelho” tem o óxido de ferro como elemento predominante na sua superfície o que lhe dá um aspecto avermelhado. O solo, em contato com o oxigênio existente na atmosfera, oxida emprestando ao planeta, essa cor peculiar.     
Marte apresenta um solo rochoso e uma atmosfera rarefeita. Possui características semelhantes à nossa Lua e ao nosso planeta como crateras, vulcões, desertos, vales e calotas polares.
 Marte, quarto planeta do sistema solar
Marte é o (2)quarto  planeta do nosso sistema solar.
 Sistema solar
[NASA]

Marte é o quarto planeta a contar do Sol e o segundo menor do nosso sistema solar. Possui o período de rotação e os ciclos sazonais semelhantes aos da Terra, assim como uma inclinação do seu eixo que produz as estações climáticas.
Os diagramas nas imagens acima mostram os tamanhos relativos aproximados dos planetas "terrestres" ou telúricos que são compostos principalmente por rochas de silicato. Da esquerda para a direita: Mercúrio, Vênus, Terra e Marte. Os gigantes gasosos ou planetas jovianos como Júpiter, Saturno, Urano e Netuno, são formados basicamente de uma combinação de hidrogênio, hélio e água em estados físicos diversos. Os planetas ditos terrestres, dentre os quais Marte, tem um núcleo metálico com a predominância de ferro e um envoltório de silicato. Suas superfícies inclusive a de Marte, apresentam depressões, cordilheiras de montanhas, vulcões e atmosferas variadas.

Algumas das características físicas de Marte:
  • Diâmetro equatorial, 6.792,4 km.  A Terra tem 12.742 km de diâmetro.
  • Área da superfície, 144.798.500 km²
  • Volume, 1,6318x10¹¹ km³ 
  • Massa, 6,4174x10²³ kg, 0,107 vezes a massa da Terra
  • Densidade média, 3,933 g/cm³
  • Gravidade equatorial, 3,711 m/s², cerca de 37,9% da Terra
Marte tem menos gravidade que a Terra. O peso de uma pessoa seria aproximadamente 62% menor em solo marciano. Eu, que peso 85 kg, pesaria em Marte cerca de 53 kg.
Marte tem aproximadamente metade do diâmetro da Terra.

Outras características:
  • Duração do ano, 687 dias terrestres
  • Duração do dia, 24 h 37 min. e 22 s em relação à duração do dia na Terra
  • Temperatura, média -63ºC, mínima -143ºC, máxima 35ºC
  • Pressão atmosférica, 0,636 kPa (Pa - pascal, unidade padrão de pressão)

Composição atmosférica:
  • Dióxido de carbono, 95,72%
  • Nitrogênio, 2,7%
  • Argônio, 1,6%
  • Oxigênio, 0,2%
  • Monóxido de carbono, 0,07%
  • Vapor de água, 0,03%
  • Óxido nítrico, 0,01%
  • Traços de Neônio, Criptônio, Formaldeído, Xenônio, Ozônio, Metano

A atmosfera de Marte
A atmosfera marciana é bastante rarefeita, com pressão atmosférica na superfície variando de 30 Pa (0,03 kPa) no pico do Olympus Mons para cerca de 1155 Pa (1,155 kPa) nas depressões de Hellas Planitia, e uma pressão média na superfície de 636 Pa (0,636 kPa). Comparando, a pressão terrestre ao nível do mar é de 101,325 kPa ou 1013,25 mb ou 760 mmHg . A atmosfera de Marte consiste em 95% de dióxido de carbono, 3% nitrogênio, 1.6% argônio, e ainda traços de oxigênio, água, metano, entre outros. A atmosfera marciana é muito empoeirada, emprestando ao céu uma cor em tons de amarelo quando vista da superfície; dados da Mars Exploration Rovers (Spirit e Opportunity, lançados em 2003) indicam que partículas suspensas possuem aproximadamente 1,5 micrômetros.

As luas de Marte
São duas as luas, Fobos e Deimos. São pequenas e irregulares.

- Fobos

É a maior e a mais próxima do planeta. Com um raio médio de 11,1 km é 7,4 vezes mais massivo que a outra lua, Deimos.
Imagem de Fobus em 01/06/2003[NASA].

Fobos foi descoberta por Asaph Hall, astrônomo norte-americano, em 18 de agosto de 1877, seis dias depois da descoberta que fez de Deimos.
Fobos é o satélite que orbita mais próximo do planeta mãe, em todo o sistema solar, menos de 6.000 km da superfície marciana. Devido a essa proximidade, Fobos nasce e se põe três vezes por dia.
Fobos demora cerca de 7,65 horas a completar uma volta sobre si próprio, que corresponde ao mesmo tempo que leva para completar uma volta ao redor de Marte. Logo, Fobos tem sempre a mesma face voltada para Marte.

- Deimos

Deimos é a menor e a mais afastada das duas luas de Marte. É, também, a menor lua reconhecida do Sistema Solar. Deimos tem um raio médio de 6,2 km e uma velocidade de escape de 5.6 m/s (20 km/h). Além disso, a lua leva 30,3 horas para girar em torno de Marte com uma velocidade orbital de 1,35 km/s.
 Deimos
Imagem de Deimos pelo Viking 1[NASA].

Deimos leva o mesmo tempo para completar uma volta ao redor de Marte e uma volta sobre si próprio. Como consequência, Deimos tem sempre a mesma face voltada para Marte.

Monte OlimpoOlympus Mons 
O Monte Olimpo, em latim, Olympus Mons, parece ser um vulcão extinto localizado na região equatorial de Marte, mais especificamente no planalto de Tharsis. 

Olimpus
Monte Olimpo, Olympus Mons[NASA].

Tudo indica ser o maior vulcão do Sistema Solar. Tem uma altura de 27 km acima do nível médio da superfície marciana, sendo três vezes mais alto que o Monte Everest. Sua base tem quase 600 quilômetros de diâmetro! Sua base é vinte vezes maior que sua altura.Sua cratera tem dimensões aproximadas de 85 km por 60 km sendo possível observar no seu interior formações de várias crateras menores, evidências de antigas atividades vulcânicas.
O Monte Olimpo foi descoberto pela sonda espacial Mariner 9 da NASA em 1971, embora já fosse do conhecimento de astrônomos desde o século XIX.
Não se sabe ao certo a origem do Monte Olimpo. A explicação mais lógica é que surgiu no início da formação do planeta, quando as atividades tectônicas eram mais intensas.

Tharsis 
Tharsis é um platô vulcânico localizado no equador de Marte, na extremidade ocidental do Valles Marineris. Tharsis, nome bíblico, era a extremidade mais ocidental das terras do mundo até então conhecido.
 O platô de Tharsis
O platô de Tharsis [NASA].

Nessa região estão localizados os Tharsis Montes, onde estão alguns dos maiores vulcões conhecidos do sistema solar. O  Olympus Mons é  um  deles. Possivelmente  formado  por uma pluma mantélica ha um bilhão de anos.

(1)Valles Marineris, o grande cânion de Marte
Valles Marineris, Vales de Mariner em latim, nome dado em referência ao orbitador de Marte Mariner 9 (1971–72), que o descobriu, é um sistema geológico marciano situado à leste da região de Tharsis. 

 Valles Marineris
 NASA World Wind - Mars 
(MOLA Shaded elevation Layer).[NASA].

Medindo mais de 3.000 km de extensão, até 600 km de largura e mais de 8 km de profundidade, o sistema de cânions Valles Marineris é o maior cânion conhecido, superando todos os cânions da Terra, acima da superfície do mar. Comparando, o Grand Canyon, no Arizona, EUA, tem 800 km de comprimento e 1,8 km de profundidade. A origem do Valles Marineris permanece no terreno das hipóteses. A mais provável é que tenha ocorrido uma rachadura quando o planeta resfriou.
O mosaico ao lado foi montado a partir de mais de 100 imagens do planeta tomadas pelo Orbiters Viking em 1970. 
Valles Marineris se situa no equador de Marte, a leste do planalto de Tharsis, e se estende por quase um quarto da circunferência do planeta.



Viking History Lithograph [NASA].



Calotas polares
O Planeta Vermelho tem duas calotas polares com gelo permanente. Durante o inverno marciano quando a temperatura chega a -120º C, um dos polos fica em um período de escuridão, que resfria a superfície e provoca a deposição de 25 a 30% da atmosfera em placas de gelo de CO2, dióxido de carbono (gelo seco) e gelo de água. Quando o polo é novamente exposto à luz solar, o dióxido de carbono e a água congelados a -80ºC sublimam, isto é, convertem-se em vapor sem passar ao estado líquido, criando enormes ventos que varrem o polo a velocidades de até 400 km/h. Esses ventos sazonais transportam grandes quantidades de poeira e vapor d’água, dando origem a geadas semelhantes às da Terra e de grandes nuvens tipo cirrus. Nuvens de água e gelo foram fotografadas pelo rover Opportunity em 2004.
A queda das geadas sazonais em algumas áreas perto da calota polar sul resulta na formação de placas transparentes de 1 metro de espessura de gelo seco acima do solo. Com a chegada da primavera, a luz solar aquece o subsolo, e a pressão do CO2 sublimado aumenta sob o bloco, elevando-o e, finalmente, rompendo-o. Isto leva a erupções semelhantes a gêiseres de CO2 junto com areia ou pó de basalto escuro. 

 Polo norte de Marte
Calota polar norte em 1999.
[NASA/JPL/Malin Space Science].


 Polo sul de Marte
Calota polar sul em 2000.


A calota polar norte tem um diâmetro de aproximadamente mil quilômetros durante o verão do hemisfério norte e contém cerca de 1,6 milhão de quilômetros cúbicos (km³) de gelo, que, se espalhado uniformemente sobre a calota, teria 2 km de espessura. Em comparação, a camada de gelo da Groenlândia tem um volume de 2,85 milhões de quilômetros cúbicos. A calota polar do sul tem um diâmetro de 350 km e uma espessura de 3 km. O volume total de gelo na calota polar sul, mais os depósitos em camadas adjacentes, foi estimado em 1,6 milhão de quilômetros cúbicos.

Água e existência de vida
Já foram encontrados sinais de erosão em Marte, sugerindo a existência de água no subsolo marciano. Indícios de água e gelo aumentam a esperança de que, futuramente, a NASA possa enviar naves espaciais tripuladas, com o objetivo de colonizar o planeta. A água seria essencial para que este projeto fosse coroado de sucesso.
A existência de água abre grandes possibilidades de haver vida em Marte!

 Cratera Victoria
Fotografia panorâmica da cratera Victoria feita pela Opportunity em 2006.
[NASA/JPL-Caltech/Cornell].


[Fontes, NASA | Wikipédia].


Comentários

Postagens mais visitadas